Educação

Aos 81 anos, Thereza realiza sonho de se formar em pedagogia

Cultura&Realidade - 27 de Agosto de 2019

file-2019-08-27090224.852295-pedagogia885e02fa-c8c2-11e9-b653-f23c917a2cda.jpg

Ela queria se tornar pedagoga na escola onde trabalhou grande parte da vida, por ser uma pessoa encantada com as crianças e sua vontade incansável de aprender. - Foto: Ilustração


A ex-merendeira, aposentada Thereza Mualla Alduino realizou o grande sonho da sua vida: graduar-se em Pedagogia. Thereza concluiu os estudos no mês de junho, em Catanduva, no interior paulista. Em agosto ela recebeu o diploma durante a festa de formatura com os colegas de turma.
Ela conta que o sonho de se formar perdurou por décadas. Ela queria se tornar pedagoga na escola onde trabalhou grande parte da vida, por ser uma pessoa encantada com as crianças e sua vontade incansável de aprender. “Eu me aposentei e pensei que não podia ficar parada. Então, fiz três anos de supletivo e concluí o ensino médio”, afirma.


De merendeira à formação em pedagogia (e administração de empresas!)
Ao se aposentar, à época com 70 anos, Thereza finalmente pôde correr atrás dos seus objetivos. Inicialmente fez o supletivo e formou-se no ensino médio. Em seguida, estudou por três meses em um curso de química, mas não chegou a concluir por conta da alta complexidade da matéria. Ingressou em outro curso técnico, administração de empresas, pegando o diploma em 2015.

Meses depois, dona Thereza ingressou na faculdade de Pedagogia, após passar no vestibular. Veio o convívio com pessoas mais novas, com as quais compartilhava experiências. “Às vezes, eles até falavam brincando para eu ir fazer crochê, mas eu não gosto disso, eu gosto de estudar”, conta.
“Ela é uma pessoa que gosta muito de ficar entre os jovens. Gosta de estar por dentro e nunca parou no tempo. Tanto é que ela usa bastante o celular para procurar as coisas, como receitas e assuntos interessantes. Por mais que nunca faça a receita, gosta de estar por dentro”, conta a neta, Aline Alduino.

A idosa conta que tem facilidade para procurar as coisas no celular, mas quando tinha que fazer alguma atividade da faculdade no computador, quem ajudava era a filha que mora com ela. “Ela anotava tudinho. O caderno sempre muito completo. Não ia pra faculdade só para marcar presença. Além disso, quando gente chama ela para viajar e ela não vai. Chamar para ir em algum restaurante é muito difícil dela ir. Na faculdade nunca faltou um dia ”, conta Aline.

O próximo passo para a pedagoga é o curso de pós-graduação na área, focada em psicopedagogia. Ela também tem planos de dar palestras sobre o tema na cidade.

Da redação, com conteúdo do Razões Para Acreditar/Psicologias do Brasil