POLÍTICA

Ao refutar matéria, ex-prefeito Guina, de América Dourada, culpa assessoria por atraso na prestação de contas

Cultura&Realidade - 17 de Fevereiro de 2020

file-2020-02-17123115.862293-Sem_titulo-1894dfe70-519a-11ea-a930-f23c917a2cda.jpg

Ao final, o juiz apena pela suspensão dos direitos políticos e aplicação da multa. - Foto: Ex. Prefeito Guina/internetInternet

Com a publicação da matéria que retrata sua condenação pela Justiça Federal, segundo a sentença proferida pelo Juiz Federal Gilberto Pimentel, fruto de representação do Ministério Público Federal, o ex-prefeito Agnaldo Oliveira Lopes (Guina) contatou a redação do Cultura&Realidade, para esclarecer sobre o assunto. 
Inicialmente ele disse que o site poderia divulgar a matéria, pois é um direito do site, e complementa: ”mas não recebi nenhuma multa, e também não fui acusado de malversação do dinheiro público!”. Em seguida, o ex-prefeito ressalta que “Isso foi mais um erro do escritório de Dr. Raul”. E prossegue: “Esqueceu de fazer a prestação de contas do PNAT de 2011, e só veio a fazer em 2013, mas foi totalmente aprovada”, reconhece o ex-gestor, concluindo: “Não recebi nenhuma multa e ainda tenho direito a defesa”.


De acordo com o Aurélio, malversação, dentre outros significados, consta: “má administração, má gerência”. Na verdade, Guina foi condenado por improbidade administrativa, é este o título da Ação Civil Pública que resultou na sua sentença, cujos atos motivadores, caracterizam a malversação, como citado na matéria.


Saiba mais: Juiz determina inclusão do ex-prefeito Guina, de América Dourada, ao sistema de condenados pela Justiça Federal


No relatório do Juiz que o julgou, consta que a prestação de conta somente ocorreu em 2017, por força da ação ministerial, causando negativação do município, que neste contexto não poderia celebrar renovação do convênio com o Governo Federal, em apoio ao transporte escolar.


Ao final, o juiz apena pela suspensão dos direitos políticos e aplicação da multa. Consta na sentença.
Sentença na íntegra, pode ser lida no link da matéria acima.

Da redação.