POLÍTICA

Alvim isenta funcionários e culpa 'ação satânica' por episódio de vídeo nazista

Cultura&Realidade - 20 de Janeiro de 2020

file-2020-01-20174223.093211-g5c467046-3bc5-11ea-b070-f23c917a2cda.jpg

O ex-secretário diz ainda que houve uma “catástrofe”, uma “série terrível de eventos e coincidências” - Foto: Ilustração

Recém-demitido do cargo de secretário especial da Cultura por usar discurso e estética nazista em um pronunciamento oficial, o dramaturgo Roberto Alvim voltou a se manifestar sobre o caso. 

Em um áudio enviado para seus contatos no WhatsApp e depois republicado em sua conta no Twitter, neste domingo (19), ele buscou isentar os funcionários da pasta no episódio. “Faço esse áudio para afirmar que Denia Magalhães, Alessandro Loiola e Alexandre Leuzinger, que eram meus assessores, não têm absolutamente nada a ver com a escritura do meu discurso usado no vídeo, como está sendo propagado em algumas mídias. Eles não têm nenhuma responsabilidade sobre aquilo”, disse Alvim, destacando ainda que os colaboradores “nunca foram propagadores de ideias nazistas ou nada parecido com isso”, assim como ele, que tem “total repúdio por isso”.

 Segundo o site Metrópole, no WhatsApp, além do áudio, ele enviou ainda um texto, no qual tenta se desculpar e explicar o ocorrido. "Eu escrevi o texto do meu discurso no vídeo, a partir de várias fontes e ideias, que me chegaram de muitos lugares”, disse. “Eu afirmo que não sabia que aquela frase tinha uma origem nazista, porque a frase em si não tinha nenhum traço de nazismo, por isso não percebi nada errado ali… Mas errei terrivelmente ao não pesquisar com cuidado a origem e a associações de algumas frases e ideias. E assumo a responsabilidade por meu erro. Perdi tudo por causa desse erro terrível”, acrescentou.
 

O ex-secretário diz ainda que houve uma “catástrofe”, uma “série terrível de eventos e coincidências”, que levaram à sua exoneração e atribuiu o ocorrido a alguma força diabólica. “Estou orando sem parar, e começo a desconfiar não de uma ação humana, mas de uma ação satânica em toda essa horrível história”, afirmou, destacando que após o incidente está focado nos cuidados à família. “Essa é minha prioridade nesse momento: minha esposa e meu filho pequeno, que estão destroçados”, afirmou o dramaturgo, que também pediu perdão à comunidade judaica e “a todos que decepcionei e feri”.


 Clique aqui e confira o áudio 


Com conteúdo do Bahia Notícias