file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Politica

Agro acredita em mudanças positivas no governo Bolsonaro

Cultura&Realidade - 26 de Janeiro de 2019

file-2019-01-26082001.844262-agro-brasil52a05aa4-215c-11e9-80ca-f23c917a2cda.jpg

Representantes do Agro já especulam melhorias nos negócios Foto: Divulgação

Para permitir o crescimento do setor agropecuário, o governo Bolsonaro deve aprovar as reformas da Previdência e tributária, melhorar as estradas, aumentar a segurança no campo, fazer acordos comerciais com novos mercados e desburocratizar o financiamento da produção, entre outras dezenas de medidas. Esta é a avaliação da Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA).


"Um sistema tributário modernizado trará maior competitividade ao setor agropecuário", disse o presidente da CNA, João Martins, 77.


Melhor infraestrutura em estradas, ferrovias e portos


A Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil) disse esperar do novo governo investimentos em infraestrutura, como a integração dos modais (rodovias, ferrovias, hidrovias e portos), para facilitar o escoamento da produção e aumentar a competitividade do setor. 
 
"Hoje a nossa infraestrutura está sucateada", afirmou o presidente Bartolomeu Braz Pereira, 53. A Aprosoja, presente em 16 estados, é associada da CNA e do Instituto Pensar Agro (IPA), que dá embasamento à Frente Parlamentar de Agricultura, do Congresso Nacional.


Segundo Pereira, outro ponto importante é a consolidação dos mercados para exportação, principalmente a Ásia, e a busca por novos acordos internacionais. 


"O Brasil precisa mostrar a qualidade de nossos produtos, para poder competir em pé de igualdade com outros mercados, sem tarifação", afirmou ele, que defende a desoneração de impostos.


Desburocratização e respeito às leis


O presidente da Aprosoja Brasil disse que também espera do novo governo "desburocratização e respeito às leis brasileiras". "A burocracia é o que reina no Brasil hoje. É preciso cumprir as leis com simplificação. Se o governo dificulta na burocracia, isso leva a propinas, que leva à corrupção", afirmou.
Para ele, leis ambientais, por exemplo, têm trazido dificuldade à produção sustentável. "Muitos falam que somos nós que desmatamos, mas é o contrário, nós preservamos. Dos 66% do território brasileiro que está preservado com vegetação original, 25% estão dentro das nossas propriedades rurais. Quem zela por essas áreas preservadas somos nós, os produtores rurais. Se há desmatamento de madeireiro, que ele seja punido. Mas nossa produção é sustentável", declarou.


Mais liberdade de mercado


O presidente da Associação Nacional de Defesa dos Agricultores, Pecuaristas e Produtores da Terra (Andaterra), Sérgio Pitt, 61, disse que a entidade espera do governo Bolsonaro menos burocratização, para reduzir custos e desonerar o setor, e mais liberdade de mercado.


"Esperamos a menor intervenção possível do governo no setor. O Estado deve, claro, cuidar da regulamentação e da infraestrutura, mas precisa apenas desonerar a carga tributária e deixar o mercado andar por si só", afirmou.


Com cerca de 3.700 associados em 17 estados, a Andaterra presta assessoria jurídica em ações coletivas do setor.


Documento aponta gargalos e soluções


Em agosto passado, a CNA lançou o documento "O Futuro é Agro 2018-2030", que aponta gargalos e soluções possíveis para a agropecuária. 
O documento, de 140 páginas, foi elaborado pelo Conselho do Agro, que é composto por 15 entidades do setor, em parceria com representantes do meio acadêmico, da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e Unica (União da Indústria de Cana de Açúcar).


No documento, uma espécie de radiografia da agropecuária brasileira, foram definidos dez temas prioritários para o setor:


•    Macroeconomia e os desafios
•    Política agrícola: aperfeiçoamento e modernização
•    Agro no mercado externo
•    Sustentabilidade dos sistemas de produção
•    Segurança jurídica
•    Tecnologia e inovação no agro
•    Logística: transporte e armazenagem
•    Defesa agropecuária e indústria do agro
•    Educação e assistência técnica
•    Agroenergia


Na logística, por exemplo, para otimizar o escoamento dos produtos agrícolas nos próximos dez anos, o setor aponta 34 obras essenciais em rodovias, ferrovias, hidrovias e portos. 


No item segurança jurídica, o documento traz algumas propostas, entre elas coibir as invasões às propriedades privadas e criar um marco regulatório das reintegrações de posse e uma política de combate à criminalidade no campo.


Quanto ao comércio exterior, o setor pede, entre outras medidas, diversificação da pauta exportadora, inclusão de pequenos e médios produtores no processo de exportação e conclusão dos acordos comerciais em negociação com Coreia do Sul, México, Canadá e outros mercados, para promover a competitividade da agropecuária brasileira.


"Se essa agenda moderna, sustentável e de livre mercado (sem tabelamento de preços) for concretizada, levará o país a ampliar em 33% a produção agrícola até 2030", disse Martins. Criada há 66 anos, a CNA reúne produtores rurais de todo o país, tendo em sua base 1.949 sindicatos.


Tamanho do setor em 2018


Segundo a CNA, o setor do agronegócio representa 23,5% do Produto Interno Bruto (PIB). De janeiro a novembro deste ano, as exportações chegaram a US$ 93,3 bilhões, aumento de 4,6% em relação ao mesmo período de 2017. 


O setor responde, neste ano, por 42% das vendas externas totais do país e por 7,2% das exportações mundiais do agronegócio, o que consolida o Brasil na terceira posição entre os maiores fornecedores de alimentos do mundo.


Em 2018, os produtos de maior destaque, segundo a CNA, foram soja em grãos, celulose, farelo de soja, carne de frango e açúcar de cana. China (29%), União Europeia (17,2%) e Estados Unidos (6,7%) foram os destinos principais das exportações.


Mas 2018 teve também seu lado ruim. O setor foi prejudicado, segundo a CNA, pela greve dos caminhoneiros e pelo tabelamento do frete, que inflacionou o preço dos insumos agropecuários. Os produtores tiveram aumento dos custos de produção e queda dos preços e de lucro. Isso refletiu no PIB do agronegócio, que deve fechar 2018 com queda de 1,6% em relação ao de 2017.

Da redação, com informações do site Uol