Bahia

Agência Nacional de Mineração tem esquema de corrupção desmontada pela PF, em Salvador e Lauro de Freitas

Cultura&Realidade - 29 de Janeiro de 2019

file-2019-01-29083955.184377-pf-nordestino-bahia9926a126-23ba-11e9-ad27-f23c917a2cda.jpg

Estão sendo cumpridos 22 mandados de busca nas cidades de Salvador e Lauro de Freitas Foto: Divulgação

Polícia Federal deflagrou, na manhã desta segunda-feira (28), a Operação Terra de Ninguém com o objetivo de desarticular um esquema de corrupção identificado dentro da Gerência Regional baiana da Agência Nacional de Mineração (ANM), antigo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).

Ao longo das investigações, que se iniciaram no final de 2017, a PF constatou que servidores da ANM em Salvador recebiam vantagens indevidas para priorizar o andamento de determinados processos administrativos e até mesmo para modificar decisões contrárias aos interesses de empresários que se dispunham a efetuar esses pagamentos ilícitos.

Os indícios apontam, ainda, que os dirigentes do órgão atuavam para beneficiar empresários ligados ao grupo político responsável por sua indicação para o cargo. Seis servidores da ANM foram afastados de seus cargos por determinação da 17ª Vara Federal de Salvador, dentre os quais o atual Gerente Regional e os seus dois antecessores. De acordo com a Folha, entre os afastados estão o atual gerente-geral Claudio da Cruz Lima e seus antecessores Raimundo Sobreira e Adiel Veras.

Além disso, estão sendo cumpridos também 22 mandados de busca nas cidades de Salvador e Lauro de Freitas. Cerca de 60 policiais federais participam da ação. Os investigados responderão pelos crimes de organização criminosa, corrupção passiva, prevaricação e advocacia administrativa.

 

Da redação, com informações do site B News