BRASIL

99% dos salários de funcionários eram transferidos para Flávio Bolsonaro

Cultura&Realidade - 15 de Dezembro de 2018

file-2018-12-15095512.855053-xfabricio-e-flavio.jpg.pagespeed.ic.f_73Jw_lQma94e16a8-0068-11e9-9991-f23c917a2cda.jpg

Flávio Bolsonaro e seu ex-assessor Fabrício Queiroz Foto: Divulgação

Reportagem de Wilson Tosta, Constança Rezende e Fabio Serapião, publicada no Estado de S. Paulo, informou sobre uma análise na movimentação financeira do ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz.


A análise mostra indícios de que pelo menos uma funcionária pode ter depositado em sua conta o equivalente a quase tudo que recebeu na Casa no período agora sob investigação. Foi esse o caso de Nathalia Melo de Queiroz, filha do ex-servidor que, no período investigado, repassou a ele R$ 97.641,20, hipotético crédito mensal médio de R$ 7.510,86.


Outra servidora que repassou a Queiroz grande parte do que recebeu foi Márcia Oliveira de Aguiar, mulher do ex-assessor. Os valores somam R$ 52.124,00 – uma média (total dividido por treze meses) de R$ 4.009,23. Isso não quer dizer que tenham sido feitos rigorosamente repasses mensais – o documento do Coaf não traz esse detalhe –, mas permite afirmar que Márcia repassou porcentuais que equivalem de 31% a 46% do que recebeu por mês no período.


Outra servidora, Luiza Souza Paes, fez transferências equivalentes a porcentuais que variam de 24,8% a 33,5% do salário no período. Sua renda, segundo o Coaf, era de R$ 3.479 mensais e a transferência média era de R$ 863,53. Já Jorge Luís de Souza, que tinha salário bruto de R$ 5.486,76, fez depósito mensal médio de R$ 1.573,46 – porcentuais respectivos de 7,69%, 28,67% e 32,46%.


O Estado mostrou que 57% dos depósitos feitos na conta de Fabrício Queiroz investigada pelo Coaf ocorreram no dia do pagamento dos salários na Alerj no período investigado, ou até três dias úteis depois.

Da redação, com informações do site DCM